segunda-feira, maio 20, 2024
HomeTecnologiaMPF questiona WhatsApp sobre possibilidade de estrear megagrupos no Brasil em 2023

MPF questiona WhatsApp sobre possibilidade de estrear megagrupos no Brasil em 2023

Na última sexta-feira (18), plataforma anunciou a estreia global da ferramenta Comunidades, mas adiou seu funcionamento no Brasil para depois das eleições.

Plataforma anunciou a estreia global da ferramenta Comunidades, mas adiou seu funcionamento no Brasil — Foto: REUTERS/Thomas White

O Ministério Público Federal em São Paulo pediu ao que apresente em até 10 dias informações sobre a possibilidade de adiar para o início de 2023 a estreia de uma nova funcionalidade que permitirá a esse aplicativo de mensagens ter megagrupos.

“(…) A nova funcionalidade agora anunciada precisa ser vista com muito cuidado, pois pode, a depender de como vier a ser implementada, representar um real retrocesso do movimento de contenção de comportamentos abusivos potencialmente ligados à desinformação, que o , a princípio, vinha promovendo de forma eficiente nos últimos anos”, disse o MPF em despacho.

O ataque ao Capitólio, em 6 de janeiro do ano passado, ocorreu após simpatizantes do então presidente Donald Trump –incentivados por ele– irem a Washington protestar contra o resultado da eleição e parte deles ter invadido violentamente as dependências do Congresso dos EUA para impedir o ato formal de certificação da vitória do democrata Joe Biden.

Essa nova função do , segundo relato do MPF, permite que mensagens que possam ser encaminhadas de uma só vez para 10 grupos com até 256 participantes –ou seja, poderia chegar a até 2.560 destinatários. E essa conduta poderia ser replicada sucessivamente, criando uma escala exponencial.

  • WhatsApp se aproxima do Telegram com novo recurso; veja COMPARATIVO entre os apps

Procurada, a assessoria de imprensa do WhatsApp afirmou que não vai comentar o assunto.

O reiterou por meio de sua assessoria que a decisão de não implementar novas funcionalidades no Brasil até o final do período eleitoral já tinha sido tomada pela plataforma e comunicada ao Trbunal Superior Eleitoral em janeiro.

Durante motociata na sexta-feira em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro disse ser “inadmissível e inaceitável” o adiamento da entrada em vigor da nova funcionalidade da plataforma para depois das eleições.

Uma fonte do TSE disse que, ao contrário do que afirmou o presidente, não houve acordo do tribunal com o  para adiamento da entrada em vigor da nova função para depois das eleições. A decisão partiu da própria empresa privada e foi comunicada à corte eleitoral.

O pedido do MPF foi encaminhado a Dario Durigan, diretor de Políticas Públicas do , no âmbito de um inquérito civil aberto em novembro passado para apurar eventuais violações de direitos fundamentais por parte de provedores de aplicativos de internet que operam no país “imputáveis a suas políticas de enfrentamento a práticas organizadas de desinformação e de violência no mundo digital”.

Mais Lidas